créditos: Bella da Semana

Mês dos namorados: comemoração ou obrigação?

Se você já entendeu o ponto, não se sinta culpado. Mas quando junho chega e os assuntos a respeito da comemoração do Dia dos Namorados começam junto com o mês, existem alguns sentimentos ligados a esta data. As mulheres, geralmente mais românticas, se empolgam com a data, pensam em presentes (para dar e ganhar) e fazem planos para celebrar. Já os homens podem não ser tão festivos...

Geralmente nesta coluna, no início do mês de junho trago dicas de presentes para as namoradas. Mas ao meu redor tenho pessoas que namoram, que são casadas ou aquelas que não têm um relacionamento fixo.  E o que mais se fala é do jantar de comemoração ou do presente que será trocado. Ambos por certa obrigação.

Casais novos e apaixonados esperam a data ansiosamente. Reservas em ótimos restaurantes, viagens de comemoração, presentes mil. Que ótima fase de namoro quando esta chama ainda está acesa! Depois de alguns anos, a comemoração é muito mais pra cumprir tabela. Com o tempo o jantar já se torna o principal fator (afinal comer bem é uma boa oportunidade) e o presente já pode ser algo comunitário, como um viagem ou serviço que ambos podem aproveitar.

Tem aquela fase que os presentes são mais funcionais do que surpreendentes. Ao invés de algo que deixará a pessoa de boca aberta, é hora de perguntar o que falta para presentear. Ao invés de jantar em um lugar estupendo, caro e inesquecível, um jantar tranquilo em casa com comida de boa qualidade já é suficiente. E assim passam os anos e o Dia dos Namorados. É fácil encontrar casais que estão juntos há décadas, casados e comemorando o dia do amor. E confesso que acho lindo, que admiro essa cumplicidade de um casamento consolidado que abre margem às comemorações. Afinal a data pode ser tão hipócrita, onde casais trocam presentes e sentam à mesa, mesmo que traindo uns aos outros.

Julgar é uma tarefa para todos. Aceitar a vida alheia é uma tarefa para os fortes. Qual o problema dos casais comemorarem como quiserem? Qual o problema de escolher um presente especial para a sua amada se os caras do futebol vão ficar te zoando por isso? Qual o problema se os planos falharam e ninguém poderá comemorar o dia, terá que trabalhar ou faltou grana para o presente? São tantas combinações e situações que estamos suscetíveis que não devemos julgar ninguém. Aqui em casa comemoramos com nossa filha e sim, os presentes estão na fase funcional (a melhor de todas!).


Mariana Goulart


Sobre o Bella Politica de Privacidade Política de Cancelamento Programa Afiliados Área do parceiro Imprensa Contato RSS

Preencha o endereço de e-mail utilizado no seu cadastro para receber sua senha